Bom texto do Rodrigo Savazoni sobre o modelo de distribuição de rádios comunitárias no Brasil e nos EUA. Por lá, o governo resolveu dividir todo o espaço disponível no dial FM para estações não-comerciais. Se não está sendo usado mesmo, por que não dar para quem quer usar?

Por aqui a situação é outra (a não ser em São Paulo, onde foi aberto um inédito processo de abertura para as comunitárias). Na Agência Brasil, onde o Rodrigo o trabalhou, há uma série sobre a violência do Estado contra as comunitárias (ações da Polícia Federal, com apoio da Anatel e do Ministério das Comunicações). Já precisa ser refeito para atualizar alguns números, mas a situação não mudou muito.