A notícia circulou primeiro no fishbowlNY, através de uma declaração de Marc Frons, o chefão da tecnologia digital do The New York Times, que declarou que o jornal está planejando lançar uma API, que permitirá que o jornal se torne programável. Agora o assunto está rapidamente se difundindo pela blogosfera.

Ficou complicado? Bem, então comecemos por ver – na Wikipedia – o que é um API:

API, de Application Programming Interface (ou Interface de Programação de Aplicativos) é um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para utilização de suas funcionalidades por programas aplicativos.
Por exemplo, um sistema operacional (como o Linux) possui uma grande quantidade de funções na API, que permitem ao programador criar janelas, acessar arquivos, criptografar dados, etc. Ou então programas de desenho geométrico que possuem uma API específica para criar automaticamente entidades de acordo com padrões definidos pelo usuário.
Mais recentemente o uso de APIs tem se generalizado nos chamados plugins, acessórios que complementam a funcionalidade de um programa. Os autores do programa principal fornecem uma API específica para que outros autores criem plugins, estendendo as funcionalidades do programa para os usuários comuns.”

Começou a dar para entender? Pois é, o que The New York Times está planejando é simplesmente – através de uma API – colocar à disposição de programadores as bibliotecas de dados estruturados do jornal, para que plugins e mashups (como por exemplo superposição de informações de uma determinada base de dados em mapas do Google) possam ser criados para a difusão de informações produzidas pelo jornal e armazenadas em seus bancos de dados.
Aron Pilhofer, editor de notícias interativas do NYT, confirmou:”A idéia é realmente abrir o código. O quanto de abertura ainda não sabemos”.
Em algumas semanas o API deverá estar pronto e começará a ser usado, inicialmente por programadores do próprio jornal, que criarão aplicativos como guias de restaurantes, listas de livros e eventos da semana. A idéia é, gradualmente, ir oferecendo acesso para que programadores externos criem seus aplicativos no API do jornal.
Uma nova concepção em termos de produção e difusão de informação jornalística está sendo posta em prática?
Com Gjol.