casio.jpg

Em 2004,  muitos fotojornalistas ficaram tristes ao ler o anúncio da Kodak de que não mais venderia câmeras que utilizavam película no mercado norte-americano, europeu e japonês. A Kodak começa ali a abandonar para sempre o filme fotográfico. O anúncio  lembrava ainda do valor da fotografia fixa, de um tempo em que o fotógrafo buscava o “momento decisivo”, no melhor estilo criado por Cartier Bresson (wikipedia).

O editorial da revista sobre fotografia ZoneZero,  escrito por Julian Tait, dedica sua análise a imediata convergência entre a fotografia fixa e o vídeo digital. Diz Tait:

“Em um artigo recentemente publicado no British Journal of Photography, o fotojornalista  Dirck Halstead  afirma que em breve desaparecerá o fotógrafo de imagens fixas, dando lugar a fotógrafos que trabalhem com vídeo (videoastas). Para o repórter fotográfico, as câmeras de vídeo estão cada vez mais baratas e hoje em dia  podem gravar em alta definição, e as fotos fixas podem ser tomadas e ampliadas utilizando algorítmos que podem produzir imagens de mais de 67 megapixels. O custo de se contratar apenas um profissional  que pode produzir tanto imagens fixas, vídeos e áudio resulta num  forte atrativo para muitas agências de notícias e veículos de mídia”.

A câmera fotográfica (será que podemos chamar assim?) que aparece neste post estará à venda a partir de março deste ano. É uma CASIO EXILIM. Esta máquina  produz 60 quadros por segundo – o dobro da velocidade de captura de uma câmera de vídeo atual -, podendo realizar até 300 fotos por segundo e gravar em alta definição, como se vê na imagem abaixo.

casio-hd.jpg

O momento decisivo parece cada vez mais condenado aos museus, entre belas e elegantes Leicas e fotos em preto-e-branco. A fotografia e o vídeo convergem de maneira inevitável, com diz Julian Tait em seu editorial. E um novo tipo de profissional da fotografia e do vídeo surge nas redação cada vez mais integradas. Parece que um novo momento jornalístico e artístico está começando.

Jorge Felz – com Mirá

Link ZoneZero “Ahora todos somos videastas”